segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Ausência de ti …


Fitei a lua

Perdi – me na imensidão do céu

Estrelado

Pensamentos dispersos

Sonhos por sonhar


Incessantemente esperei

Esperei por ti


Em vão …

Partiste.


O vazio do tempo preenche os meus dias

Esboço um sorriso

E finjo

Imagino que sou feliz

Sem ti


Mas a tua ausência vive em mim

De cinzento chuva pinta os meus dias

De negro sangue as minhas noites embala


Voltarás?

Quem sabe … um dia …


Mas, para sempre

De negro me vestirei para ti


A chama da paixão apagarei,

O brilho no meu olhar o horizonte longínquo

Eternamente fitará


Na minha memória apenas guardarei

A ausência de ti.



Carla Alves ©
01 de Dezembro de 2008



2 comentários:

Nuno de Sousa disse...

Magnifico este teu poema, escreves com garra e com saber. Parabéns amiga,
Bjs e uma boa semana para ti,
Nuno

Goddess Night disse...

Guardamos sempre muitas memórias e recordamo-nos delas é na ausência de tudo!

Deixei um desafio no meu blog, destinado também a ti, espero que tenhas prazer em o aceitar.

Fica mais um beijinho.