terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Velas ao Vento



Navegando nas asas da imaginação

Rumo à descoberta

Do infinito


Respirando azul

Bebendo a curiosidade sagaz

Que me projecta face ao desconhecido


Avisto, ao longe, um porto

Branco

Tons de malva

Laranja – Lilás

Verde cristalino


As ondas embalam

Compassadamente

Este veleiro errante

Suavizando a ânsia

Do que está, ainda, por descobrir


Lanço a âncora

Salto freneticamente para a água

Fundo – me na imensidão de azul

E desapareço

Por entre a espuma duma onda

Revolta

Livre

Leve

Solta


Parto à descoberta!



9 de Dezembro de 2008

Carla Alves
©

6 comentários:

Nuno de Sousa disse...

Deves ter aqui umas trocas nos poemas... onde está o à partida da descoberta... eu descobri está nas Velas ao vento :-)
De qualquer maneira sempre mto bel a tua escrita e adoro vir aqui te ler.
Bjs e uma boa noite,
Nuno

Nuno de Sousa disse...

Amiga, se quiseres colocar o poema e foto está tua vontade de o fazeres, afinal tens o teu blogue eu tenho o meu, e espero te trazer aqui mais gente... pois mereces pela qualidade da tua escrita.
Bjs e uma boa noites,
Nuno

Helena Paixão disse...

Como ponto de partida para a descoberta este poema está duma sensibilidade contagiante. Apetece-me seguir-te nesse teu mergulho no azul :-)

Tem uma semana bem feliz!

Beijinhos.

Nilson Barcelli disse...

Querida vizinha, já li quase todo o teu blogue e tu não publicas mais nada...
Neste poema, criaste imagens fantásticas, por certo impelidas pelas tua costela marinha.
Uma boa semana para ti.
Beijo.

Anónimo disse...

Gostei muito de todos os seus poemas professora, você tem um jeito imenso para isto,

Adriana 8ºA

Anónimo disse...

Gostei mesmo muito, professora :)

Inês 8ºA